terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

CNH INDUSTRIAL FECHA 2016 COM RECEITA DE US$ 24,9 BILHÕES.


A CNH Industrial encerrou 2016 com uma receita consolidada de US$ 24,872 milhões. Esse número representa uma queda de 4% em relação a 2015. As vendas líquidas de atividades industriais foram de US$ 23,669 milhões no ano, 4,1% menores que em 2015. No quarto trimestre de 2016, a receita consolidada foi de US$ 6,998 milhões, 2% menor que no quarto trimestre de 2015. As vendas líquidas de atividades industriais foram de US$ 6,682 milhões no quarto trimestre de 2016, 2,7% menores que no  mesmo período de 2015.

"Embora o mercado de equipamentos agrícolas tenha permanecido em níveis de demanda historicamente baixos em 2016, nosso desempenho de margem ficou alinhado com nossas expectativas e tivemos progressos significativos na redução de estoques", disse Richard Tobin, CEO da CNH Industrial.

O lucro líquido ajustado foi de US$ 482 milhões no ano, 1,7% maior que em 2015. O lucro líquido divulgado no quarto trimestre de 2016 foi de US$ 96 milhões, em comparação aos US$ 231 milhões no quarto trimestre de 2015, com lucro líquido ajustado de US$ 197 milhões no trimestre, em comparação aos US$ 262 milhões no quarto trimestre de 2015.

O lucro operacional das atividades industriais foi de US$ 1.291 milhões no ano de 2016 (US$ 1.432 milhões em 2015), com margem operacional de 5,5% (5,8% em 2015). No quarto trimestre de 2016, o lucro operacional das atividades industriais foi de US$ 412 milhões, em relação a US$ 563 milhões no quarto trimestre de 2015, com margem operacional de 6,2% (8,2% no quarto trimestre de 2015).

“Além da sólida execução operacional, conseguimos superar significativamente nossa meta de dívida líquida industrial do ano e reduzir nossos custos de juros futuros por meio de duas transações em mercados de capital, o que avança nossos esforços para obter uma avaliação de crédito de nível de investimento”, afirma Tobin.

O prejuízo líquido foi de US$ 249 milhões no ano de 2016, o que inclui os encargos não dedutíveis do imposto de renda declarados no valor de US$ 551 milhões após a finalização do acordo da Comissão Europeia; encargos de US$ 60 milhões (US$ 38 milhões após impostos) referentes a recompra de parte das Notas da Case New Holland Industrial Inc. 7,875% com vencimento em 2017; uma despesa extraordinária de US$ 34 milhões devido à nova mensuração e depreciação de certos ativos da subsidiária venezuelana, além de um encargo de cobrança única que não envolve o caixa, no valor de US$ 59 milhões, referente à reorganização societária de operações na América Latina, que inclui alterações da provisão para impostos diferidos.

"Embora o mercado da América Latina tenha sido, de modo geral, desafiador para todos os segmentos, estamos começando a ver sinais de recuperação na região, especialmente no segmento de equipamentos agrícolas, com entregas 30% superiores no quarto trimestre de 2016 em comparação ao quarto trimestre de 2015. Além disso, o segmento de veículos comerciais continua melhorando em termos de rentabilidade e participação de mercado na região EMEA (Europa, Oriente Médio e África)”, completa o CEO da CNH Industrial.

Números por segmento

As vendas líquidas de equipamentos agrícolas diminuíram 8,2% no ano de 2016 em relação a 2015 (queda de 7,2% em moeda de valor constante), principalmente em função do setor de culturas em linha na região de NAFTA e no setor de grãos pequenos na EMEA. As vendas líquidas aumentaram na América Latina, principalmente devido à melhora no mercado brasileiro e ao impacto positivo da conversão de moeda, e permaneceram estáveis na região APAC (Ásia-Pacífico). No quarto trimestre de 2016, as vendas líquidas de equipamentos agrícolas diminuíram 5,1% em relação ao quarto trimestre de 2015 (5,8% menor em moeda de valor constante).

As vendas líquidas de equipamentos de construção diminuíram 9,4% no ano de 2016 em relação a 2015 (diminuição de 8,6% em moeda de valor constante) devido, especialmente, às regiões de NAFTA e América Latina, e por causa da “realização negativa de preços”. No quarto trimestre de 2016, as vendas líquidas diminuíram 5,1% em relação ao quarto trimestre de 2015 (5,9% menor em moeda de valor constante).

Entre os veículos comerciais, as vendas líquidas permaneceram estáveis no ano de 2016 em relação a 2015 (+ 1,8% em moeda de valor constante), principalmente devido ao aumento do volume de caminhões e preços favoráveis na EMEA, compensados por volume menor de negócios de veículos especiais e impacto negativo da conversão de moeda. Na América Latina, as vendas líquidas diminuíram devido ao menor volume da indústria no Brasil e na Argentina. No quarto trimestre de 2016, as vendas líquidas diminuíram 1,7% em relação ao quarto trimestre de 2015 (estável em moeda de valor constante) devido ao menor volume de ônibus e veículos especiais na EMEA e ao impacto negativo da conversão de moeda. As vendas líquidas permaneceram estáveis na América Latina, enquanto aumentaram na APAC, principalmente para caminhões.

As vendas líquidas de powertrain aumentaram 4,1% no ano de 2016 em relação a 2015 (+ 4,9% em moeda de valor constante) principalmente devido ao maior volume de vendas a terceiros. As vendas para os clientes externos representaram 47% do total de vendas líquidas (46% em 2015). As vendas líquidas aumentaram 4,4% no quarto trimestre de 2016 em relação ao quarto trimestre de 2015 (+ 5,8% em moeda de valor constante), devido ao volume e mix de produtos positivos.

A receita de serviços financeiros diminuiu 2,1% no ano de 2016 em relação a 2015 (queda de 1,0% em moeda de valor constante), principalmente devido a um portfólio médio inferior e ao impacto negativo da conversão cambial. No quarto trimestre de 2016, a receita líquida totalizou US$ 397 milhões, um aumento de 5,3% em relação ao quarto trimestre de 2015 (+ 2,8% em moeda de valor constante) devido a melhores juros e uma conversão cambial favorável.

Para mais detalhes sobre o balanço financeiro da CNH Industrial de 2016, clique aqui.