terça-feira, 4 de julho de 2017

COMÉRCIO CAXIENSE CRESCE 17,55% EM MAIO.

O comércio em geral fechou o mês de maio com uma expansão em relação a abril de 2017, da ordem de 17,55% contra uma retração de 11,14% do mês de anterior, um resultado, que anima o setor. Já em relação a maio de 2016 o crescimento é de 4,74%. O resultado, embora apresente um comportamento sazonal definido, ocorre de acordo com o esperado.

O ramo que puxou o crescimento foi o duro, e a maior expansão foi do seguimento de Automóveis, caminhões e autopeças novos, com 38,00%. Esse foi seguido eletrodoméstico, móveis e bazar, com 29,47%. “Podemos observar que os seguimentos mais comprimidos com a recessão, são os que agora ganham maior espaço na recuperação”, explica Mosár Leandro Ness, assessor de Economia e Estatística da CDL - Câmara de Dirigentes Lojistas de Caxias do Sul.

No ramo duro a variação entre abril e maio de 2017 o crescimento foi de 21,40%. Em termos reais, descontada a inflação há uma expansão nas vendas de 7,57% e no acumulado de doze meses observou-se um crescimento positivo de 1,84%, contra 0,85% do mês anterior.

No ramo duro, ainda, no mês de abril em termos nominais, os ramos de informática e telefonia com -29,02%, automóveis, caminhões e autopeças novas com 38,00%; óticas, joalherias e relojoarias com -0,83%, material de construção com 22,36%, material elétrico com 22,36%, eletrodomésticos, móveis e bazar com 29,47%; já implementos agrícolas com 20,48% apresentou um desempenho positivo.

Por outro lado, no ramo mole a variação entre maio e abril de 2017 foi de 4,84% positivo, contra -13,74% do mês anterior. Já em termos reais, descontada a inflação, a variação sob o mesmo período do ano anterior é de -7,32% negativa e no acumulado de doze meses temos um crescimento negativo de -20,74% inferior ao mês anterior que foi de -21,10%. Observa-se aqui a perda de dinamismo desse seguimento. No ramo mole, um seguimento apresentou variação positiva entre maio e abril: vestuário e calçados com 14,78%; farmácia com 2,64% e livraria e papelaria com 2,93%. Já o seguimento de produtos químicos com -26,98%, apresentou comportamento negativo.

Empregos

O comércio em maio apresentou um saldo positivo de contratações de 120 vagas, o que denota um movimento contrário ao mês anterior que teve -13 vagas negativas, a variação é de 0,45%.

Já a evolução do emprego o município revelou um saldo negativo de contratações da ordem -146 vagas, representando uma redução de -0,10%. Em doze meses o saldo negativo acumulado é de -3,270 vagas um resultado superior ao de abril que teve -3,833. Com o resultado de maio de – 2,11%, há uma melhora em relação ao mês anterior, que foi de -2,49%. Por outro lado, no longo prazo pode-se observar que a taxa de desemprego vem demonstrando uma melhora nos últimos meses com quedas constantes, o que denota uma recuperação no quadro. 

Inadimplência

A Consulta Balcão do SPC realizado por consumidores sobre o próprio nome ou CPF, apresentou um aumento em relação ao mesmo período de 2016 de 2,29%. O mesmo ocorreu em relação ao mês anterior, que registrou um aumento de 31,20%.

Em relação à inclusão de débitos no sistema SPC houve um aumento em relação a maio/16 de 29,79%. O mesmo não ocorreu em relação ao mês de abril/16 com uma redução de 12,51%. Já as exclusões de débitos aumentaram tanto em relação ao ano anterior 35,97%, quanto em relação ao mês anterior em 43,38%.

As inclusões de cheques diminuíram 26,01% em relação ao mesmo período do ano passado e aumentaram em relação ao mês anterior em 129,31%. E as exclusões de cheques diminuíram 47,93% em relação ao mesmo período do ano anterior e 30,77% em relação ao mês anterior.

As inclusões de CPFs aumentaram em 5,52% em relação ao mesmo período do ano passado e 0,77% em relação ao mês anterior. O estoque de dívidas recebeu um incremento. Em maio de 2016 a diferença entre registros e cancelamentos foi de R$ 1.984.020,00, já em maio de 2017 a diferença foi de R$ 16.078.638,00. Temos um acréscimo de R$ 14.094.618,00 em relação ao ano anterior.