quarta-feira, 26 de setembro de 2018

HELIBRAS ENTREGA H125 PARA SECRETARIA DE SEGURANÇA DA PARAÍBA.


A Helibras entregou um H125 para a Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social (SESDS). O órgão é responsável pela segurança pública e defesa social do território paraibano. A aeronave multimissão é a segunda da frota da SESDS, que já conta com um AS350 B2.

O Acauã 2 será integrado ao Grupamento Tático Aéreo (GTA) e utilizado no policiamento preventivo e repressivo, em apoio à Polícia Militar e Civil, como também para resgates em áreas restritas, combate a incêndio e transporte aeromédico, em apoio ao Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e SAMU.

Estão subordinadas à SESDS a Polícia Militar, a Polícia Civil, o Corpo de Bombeiros, e o Sistema Penitenciário. O helicóptero será incorporado ao patrimônio da SESDS e teve a Secretaria de Estado da Administração (SEAD) à frente no processo licitatório.

JeffreyGroup.

Leia> O Brasil Sobre Rodas.

AMERICAN AIRLINES TEM NOVA GERENTE DE VENDAS PARA O RIO DE JANEIRO, MINAS GERAIS E REGIÃO NORDESTE.

A American Airlines tem nova gerente de vendas para o Rio de Janeiro, Minas Gerais e Nordeste. Simoni Sá, que está há 23 anos na empresa, teve oportunidade de atuar em diferentes funções. Ela iniciou sua trajetória como agente de call center, foi supervisora de lojas no Rio de Janeiro, gerente de contas corporativas e gerente de contas para o mercado de Minas Gerais, seu último cargo antes da nomeação para a nova posição. 

Simoni Sá é formada em Secretariado Execetivo Billingue e tem dois MBAs Executivos: Gerencia de Marketing pelo Instituto Brasileiro de Mercados e Capitais (Ibmec) e Gestão Comercial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

"A Simoni tem um extenso conhecimento das operações da American Airlines e já obteve muitas conquistas. Ela conhece muito bem o mercado e a cultura da empresa, o que será fundamental para que ela desempenhe um excelente trabalho", disse Dilson Verçosa Jr., diretor regional de vendas da American Airlines no Brasil. 

Há 28 anos no Brasil, a American Airlines é a maior companhia aérea entre Brasil e Estados Unidos, atendendo quatro destinos no país: Brasília, Manaus, Rio de Janeiro e São Paulo, com mais 59 voos semanais. Conecte-se com a American no Twitter @AmericanAir e no Facebook.com/AmericanAirlines.

terça-feira, 25 de setembro de 2018

AIRBUS CORPORATE HELICOPTERS APRESENTA O NOVO ACH135 HELIONIX PELA PRIMEIRA VEZ NO IATE SHOW DE MÔNACO.


A Airbus Corporate Helicopters (ACH), divisão da Airbus especializada em helicópteros privados e corporativos, exibirá a aeronave ACH135 Helionix pela primeira vez no terraço do Iate Club de Mônaco. A apresentação acontecerá entre os dias 26 e 29 de setembro no Iate Show 2018, em Mônaco.

Equipado com a configuração interior própria da linha ACH, o novo modelo, que conta com o sistema de aviônicos Helionix, representa um salto tecnológico para este tipo de helicóptero biturbina leve, oferecendo uma experiência de voo agradável, ideal para ambientes marinhos, urbanos e selvagens.

Somando às capacidades confiáveis e robustas da linha e ao equilíbrio entre conforto e versatilidade semelhante ao de um SUV, a versão atualizada do ACH135 oferece uma percepção situacional melhorada, controles de voo mais simples e maior segurança. Características já elogiadas e aprovadas por pilotos incluem o botão de "pausa" no sobrevoo automático (ideal para dar mais tempo ao piloto em situações de baixa visibilidade ou em ambientes com muito movimento), o botão de "dar a volta" (com o simples pressionar de um botão, a aeronave irá, automaticamente, dar a volta e se reposicionar para a melhor abordagem para aterrissagem) e a gestão automatizada dos motores (garantindo um voo suave e seguro mesmo se um dos dois motores falhar).


"Com aproximadamente 300 iates com capacidade para helicópteros ao redor do mundo, existe uma demanda cada vez maior por helicópteros confiáveis, compactos e versáteis e que sejam capazes de transportar passageiros e cargas em todos os tipos de ambientes. A adição do Helionix ao ACH135 coloca a aeronave no mesmo patamar dos modelos ACH145, ACH160 e ACH175, que já vêm equipados com o sistema, e faz com que o modelo tenha uma operação livre de preocupações e seja perfeita para utilização em iates", afirma Frederic Lemos, diretor da Airbus Corporate Helicopters.

A linha ACH é caracterizada pelo cuidado e atenção aos detalhes e oferece uma experiência de ponta a ponta baseada em serviços exclusivos e de alta qualidade; desde a seleção da melhor aeronave para atender às necessidades dos clientes até o auxílio para definir o estilo dos acabamentos, com suporte ao longo de toda a vida útil da aeronave, garantido por serviços 24 horas ao redor do mundo.

Fotos: Guillaume Plisson.

FESTIVAL DE GASTRONOMIA E CULTURA DA ROÇA DE GONÇALVES RECEBE PROJETO SABORES DA MANTIQUEIRA.


O projeto itinerante “Sabores da Mantiqueira”, do professor Vitor da Costa Pompeu, professor de Gastronomia do Senac, de Campos do Jordão, será uma das atrações da 7ª edição do Festival de Gastronomia e Cultura da Roça, que acontece por três finais de semana de novembro – 1 a 4, 9 a 11 e 15 a 18 – na cidade de Gonçalves, Sul de Minas Gerais, com o apoio pedagógico do Senac/Campos do Jordão.


Costa Pompeu e os professores Ricardo Barbosa e Vitor Rabelo vão orientar os agricultores locais a produzir, com qualidade, insumos naturais para o fornecimento a restaurantes da região. O projeto Sabores da Mantiqueira mapeia os produtores da região e identifica potenciais fornecedores, a quem – com a ajuda das prefeituras – são transmitidas informações técnicas, capazes de influenciar no resultado da oferta qualificada de alimentos.

Em sua 7ª edição com o tema "Em Minas é assim!", o festival é realizado pela Associação Pró-Turismo de Gonçalves, Gonçalvestur. Durante seis anos, o evento foi realizado no Centro Recreativo, localizado na área central da cidade. Este ano, porém, os organizadores conseguiram transferir o festival para o Ginásio Poliesportivo, também no centro, mas em local mais amplo e facilidades de estacionamento.

“Este ano, teremos 21 estandes no pavilhão do Centro Recreativo de Gonçalves, sendo 16 barracas de comidas da roça, de experiências gastronômicas da região da Mantiqueira e também comidas vegetarianas e veganas, além de dois estandes de produção associada ao turismo (um sítio e o Projeto Sabores da Mantiqueira) e três estandes de bebidas”, explica Fernanda Kurebayashi, proprietária da A Senhora das Especiarias e uma das organizadoras do evento.

Outra novidade do 7º Festival de Gastronomia e Cultura da Roça de Gonçalves é a extensão do evento por três finais de semana, nos dias 1 a 4, 9 a 11 e 15 a 18 de novembro, sendo que às quintas e sextas-feiras somente no horário do jantar; sábados, almoço e jantar; e aos domingos somente no almoço.

e/d: Vítor Pompeu, Anderson César Oliveira e Vítor Rabelo


Serviço
 7º Festival de Gastronomia e Cultura da Roça de Gonçalves, "Em Minas é assim!".
Ginásio Poliesportivo
Rua Amélia Gomes Vieira, 110
Gonçalves - Minas Gerais
Programação
1/11 (quinta-feira) - abertura, jantar a partir das 20h
2 e 3/11 (sexta-feira e sábado) - almoço das 12h às 16h / jantar das 19h às 23h
4/11 (domingo) - almoço das 12h às 16h


Gonçalves.  A Pérola da Mantiqueira.  Única e preciosa.

Localizada no Sul de Minas, Gonçalves encanta pela simplicidade e tranquilidade, típicas de uma pequena cidade do interior. Rodeada pelo mar de morros da Serra da Mantiqueira, possui inúmeros atrativos para quem busca aventura, boa gastronomia e conforto para descansar. Por aqui, as estradas são de terra, a hospitalidade é mineira e as experiências memoráveis! Visite: goncalvestur.com.br.

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

MOSTRA 3M DE ARTE CHEGA À 8ª EDIÇÃO.

Até 14 de outubro, o Largo da Batata recebe obras inéditas de Eduardo Coimbra, Estela Sokol, Grupo Inteiro, do duo Marcos Muzi e Rafael Cotait, Raquel Kogan e Regina Parra, artista selecionada por edital do projeto.


Obra da artista Regina Parra

Com o intuito de democratizar o acesso à arte, impulsionar a produção artística nacional e gerar reflexões sobre temas contemporâneos relevantes, a 8ª Mostra 3M de Arte ocupa o Largo da Batata, no bairro de Pinheiros, na capital paulista, até o dia 14 de outubro, com patrocínio da 3M via lei de incentivo à cultura. Esta edição apresenta obras inéditas, todas comissionadas pelo projeto, dos artistas Eduardo Coimbra, Estela Sokol, Grupo Inteiro, o duo Rafael Cotait e Marcos Muzi, Raquel Kogan e da selecionada por edital Regina Parra. 

Com idealização e curadoria da produtora cultural Elo3, empresa que realiza o evento desde sua primeira edição, a mostra alia uma proposta inovadora de interação do público em geral com a arte e proporciona total liberdade criativa na concepção das obras, que utilizam o espaço público como ambiente de expressão. "Neste ano, os trabalhos permeiam a ideia da arte apontando para uma convivência baseada no respeito e na fruição do espaço público enquanto ativador de sentidos e consciência cidadã", explica Fernanda Del Guerra, sócia e diretora da Elo3.

Totalmente gratuito, o evento vai ao encontro do propósito dessa política pública de fomento e distribuição de arte e cultura, visando justamente refletir sobre tolerância, interação social e transformação do espaço público em espaço de convivência. Já o Largo da Batata, localizado na zona oeste da capital, pertence a uma área revitalizada que integra o esforço da sociedade civil para transformar a cidade em um espaço de convívio e ocupação por parte da população. Com circulação diária de aproximadamente 150 mil pessoas, o espaço, que recebe a mostra pelo segundo ano consecutivo, tornou-se um símbolo de resistência pública abrigando ocupações, manifestações políticas, blocos de Carnaval e atividades de lazer e entretenimento cotidiano de paulistanos de todas as idades e classes sociais.

Dentro desta linha ideológica, a instalação "Parque", do artista Eduardo Coimbra, prevê a criação de um espaço de lazer para uso comunitário dos frequentadores e passantes do Largo da Batata, com uma grande extensão de piso em pedra e concreto. Na obra, um plano de grama é um símbolo da paisagem natural domesticada. É um elemento vivo que oferece conforto tátil e térmico, sendo suporte para brincadeiras, exercícios físicos, piqueniques e repouso. A criação de Coimbra proporciona uma experiência aos usuários que suaviza a sensação de aridez do solo urbano construído e oferece ao público o contato com um gramado visualmente infinito instalado sobre o piso da praça.

O projeto ocupa uma área de 80 m² com a construção de um ambiente imersivo de 60 cm de altura, com paredes internas cobertas de espelhos, e o piso coberto com grama sintética. Os limites externos da construção são definidos por duas linhas de degraus em toda sua volta, que dão acesso ao espaço interior. A visão ilusória do plano infinito e da materialidade da grama se sobrepõe à realidade concreta da praça. Desta forma, o visitante é convidado a entrar no campo gramado e ali usufruir o ambiente infinito deste "parque". Para o passante externo, o plano verde infinito parece atravessar o espaço da praça – sobre, dentro ou sob o nível do chão. Há uma superposição de paisagens que confunde a visão dos espectadores. "Parque" expõe duas realidades, o espaço construído e o imaginado, que apresentam seus extremos entre natureza e artifício. A construção dessas realidades, e o uso que fazemos dos espaços a elas associados, é o nosso sentimento de pertencer ao mundo – um misto de percepção, racionalidade e desejo.

Uma instalação composta por uma fonte de água constitui o projeto "Metro Cúbico" d´O Grupo Inteiro. Formado pelos artistas Carol Tonetti, Cláudio Bueno, Ligia Nobre e Vitor Cesar, o grupo busca manter diálogos públicos através de suas proposições estético-políticas. 

A obra criada para a Mostra 3M de Arte resgata a ideia da disponibilidade da água como bem público, enquanto revela uma espécie de contradição da água como commodity, como mercadoria e como especulação, como um fator que influência em decisões políticas. Assim, a obra debate a água como assunto político na cidade, abordando oferta versus escassez, mercadoria versus bem público.

"Metro Cúbico" reflete sobre a condição histórica de ter água acessível em praça pública. Abastecido por caminhão pipa (serão utilizados cerca de 2 mil litros a cada cinco dias de exposição), o projeto, que propõe um ponto de convivência social, com seu entorno que possibilita sentar-se ou fazer manobras de skate, também inspira a relação da interação social com os monumentos (a instalação atinge 3,5 metros de altura em seu ponto mais alto), o imaginário político e estético da cidade e a memória afetiva social.

Já a artista Raquel Kogan integra em seu trabalho os múltiplos usos e sonoridades do Largo da Batata para criar "Falante", uma instalação interativa sonora com o espaço público por meio de um grande telefone sem fio. Feito de tubos de aço, a obra não só transmite som de uma extremidade à outra, mas também o amplifica através de megafones a todos que estiverem passando por perto. "Falante é uma obra quieta e muda que só funciona se alguém falar com ela, propagando esta onda sonora tanto pelos canos como ao espaço público pelos megafones. A obra ganha significado a partir da interação do público com ela", conta Raquel.

Com "Miração", os artistas Marcos Muzi e Rafael Cotait convidam o público a repensar o olhar sobre a sociedade (o coletivo), o outro (compartilhado com outra pessoa) e nós mesmos (individual) por meio de uma instalação em três pilares. "O projeto pretende estimular uma reflexão sobre a autoimagem, essa busca por selfies, que pode esconder ao invés de revelar.", analisa Muzi. A dupla atua em parceria há quase uma década criando obras de interatividade com elementos de ilusão ótica, estereoscopia (imagens tridimensionais) e anamorfose (imagens distorcidas vistas a partir de um ângulo ou reflexos em espelhos que se reconstituem).

Em MIRA-NOS, símbolos, imagens e informações transformam-se, fundem-se e modificam-se quando observados a partir de pontos de vista diferentes. Os "caleidoscubos" (cubos de acrílico, elementos de imagem e lâmpadas de LED vistos a partir de espelhos) entregam sensações ao observador de acordo com seu movimento. Aqui, a compreensão do coletivo dá-se de forma individual, pois cada ponto de vista, cada luz específica, traz uma informação diferente.

Já em MIRO-TE, o observador é estimulado a olhar-se no espelho e a resposta é uma surpresa. Como experiência individual, MIRO-ME é um periscópio composto de quatro espelhos no qual o espectador observa-se em um espelho mas sua imagem refletida não é a esperada. "O ganho dessa experiência está na surpresa, no inesperado, no susto", avalia o artista.

Um muro branco de 12 metros de comprimento e um pequeno triângulo, ambos de concreto, são justapostos em "Contraforte", trabalho que Estela Sokol apresenta nesta edição da Mostra 3M de Arte. Com nome emprestado do vocabulário da arquitetura e combinando com seu significado, a obra se constrói por aquilo que se faz apenas estruturalmente necessário - duas formas que, juntas, se mantém em pé - e propõem diálogo com a praça pelo mínimo, pelo que pode haver de silencioso ali, espelhando medidas e faturas de outras formas e objetos vizinhos, indicando semelhanças e repetições de eixos e presenças.

No entanto, diferente dos contrafortes da história, o que este protege é uma pequena superfície triangular pintada de amarelo luminoso, uma ideia de cor-luz, que revelará diferentes nuances de acordo com os deslocamento do sol e do espectador. Em diálogo aberto com a cidade, o trabalho assim como um muro, estão silenciosamente sujeitos a intervenções que possam se dar durante sua estada no local.

A selecionada do Edital

Com uma mensagem de resistência que se evidencia na escuridão, Regina Parra, a grande vencedora do edital da 8ª Mostra 3M de Arte, assina a obra "É Preciso Continuar", baseada no livro de Samuel Beckett "O Inominável". O projeto é constituído por um letreiro luminoso colorido de grandes dimensões que manifesta a ideia da artista de que "se entendermos que a sociedade é construída e imaginada, também podemos acreditar que ela pode ser reconstruída e reimaginada". 

Mestre em Teoria e Crítica da Arte pela Faculdade Santa Marcelina e bacharel em Artes Visuais pela Faap, a artista realizou exposições individuais na Galeria Millan (SP), Pivô (SP), Centro Cultural São Paulo, Galeria Leme (SP), Fundação Joaquim Nabuco (PE) e Paço das Artes (SP), além de diversas coletivas nacionais e internacionais. Sua obra faz parte do acervo de instituições como Pinacoteca de São Paulo, Instituto Figueiredo Ferraz e VideoBrasil.

Em um momento de transformações urbanas e digitais dentro da sociedade, a Mostra 3M de Arte compreende a importância de estar em espaços democráticos para a exibição e interação do público com a arte como um agente de diversidade e modificação do espaço social. A oportunidade de ter uma obra exposta na mostra consiste na valorização artística do trabalho pertencente a um projeto já estabelecido que é realizado há oito anos e já apresentou renomados artistas nacionais e internacionais, como Guto Lacaz, Giselle Beiguelman, Paulo Bruscky, Nicola Constantino e Bill Viola.

Ao apresentar a Mostra, a 3M também promove a cultura e a arte, importantes instrumentos para a transformação social do nosso país, além de incentivar a promoção de uma arte disruptiva e de vanguarda. Depois de sete edições, com um público visitante de mais de 200 mil pessoas, a Mostra celebra seu segundo ano no Largo da Batata, o que democratiza ainda mais a arte e a aproxima do cotidiano das pessoas. O evento visa inspirar a todos que passarem por esta grandiosa instalação a céu aberto, promovendo uma reflexão diferente sobre o espaço público, sobre a arte e suas vertentes. "A Mostra visa inspirar a todos que passarem por estas grandiosas instalações a céu aberto, promovendo uma reflexão diferente sobre o espaço público, sobre a arte e suas vertentes.", destaca Luiz Serafim, head de Marketing Corporativo da 3M.

O evento conta ainda com o espaço container.art - que nesta edição da mostra está configurado como um estúdio de arte - oferece oficinas gratuitas destinadas ao público com temas conectados a ciência e arte, coordenadas pela arte educadora Vera Barros, todos os dias, das 8h às 20h.

Vera implantou o Departamento Educativo do Museu de Arte Moderna de São Paulo – o Educativo MAM – São Paulo, entre 1997 e 2005, colaborou como consultora para a Escola São Paulo na conceituação e produção de sua programação em 2007 e desenhou e executou projetos educativos, formação de equipes para instituições culturais e museus, formação de professores, seminários e palestras sobre arte educação, além de pesquisa, elaboração de textos e projetos gráficos em várias cidades do Brasil e nos Estados Unidos.

Além das oficinas, Vera coordena as visitas guiadas e as informações sobre as obras, artistas e oficinas do container.art, que estarão presentes no site da mostra em um catálogo digital, disponível a partir da abertura. Na grade de atividades, destaque para as oficinas "Máscaras Faciais", "Jornalista por um Dia", "O Outro no Espelho" e "Telefone de Lata". 

Serviço
8ª Mostra 3M de Arte
Até 14 de outubro de 2018
Largo da Batata, Pinheiros - São Paulo
Gratuito
Container.art - ações educativas orientadas todos os dias, das 8h às 20h

Há 14 anos fazendo produções culturais engajadas na democratização do acesso à arte, a Elo3 alia-se à iniciativa privada para realizar seu propósito e ampliar seu alcance. Sempre com a colaboração de grandes artistas e profissionais e o apoio de empresas que compartilham os mesmos valores, a Elo3 oferece à sociedade projetos questionadores, inovadores e transformadores, como a Mostra 3M de Arte.

Na 3M, aplicamos a ciência de forma colaborativa para melhorar vidas diariamente. Com cerca de 90 mil funcionários conectados com clientes em todo o mundo e mais de 55 mil itens de produtos inovadores para diferentes mercados, a 3M atingiu US$ 31,7 bilhões em vendas globais em 2017. No Brasil, o Grupo 3M conta com cinco fábricas instaladas no Estado de São Paulo, que compõem a 3M do Brasil, além das empresas 3M Manaus, instalada no Amazonas e a Capital Safety, que opera no Paraná. Em 2017, alcançou faturamento bruto de R$ 3,8 bilhões no País, onde conta com cerca de 3.400 funcionários. 

sábado, 22 de setembro de 2018

CASA DA MÃE JOANA.
Por Marli Gonçalves*

UTOPIAS, DISTOPIAS. REALIDADE.


“O que é comumente chamado utopia é demasiado bom para ser praticável; mas o que eles parecem defender é demasiado mau para ser praticável”.
[John Stuart Mill, 1868, em discurso no parlamento britânico]

Que será de nosso futuro? Poderemos continuar sonhando os nossos sonhos ou seremos ainda testemunhas de horrores sem fim? O mundo todo se vê diante desse dilema. E são seriados de tevê que batem os sinos do perigo para acordar nossas mentes, em ficções que, mais do que científicas, são políticas. Já assistiu The Handmaid's Tale (O Conto da Aia)? Pois fiquei apavorada com a clareza do seu recado, descrito como uma distopia.

Você também sabe e deve ter ouvido por aí. Verdade. Foi notícia. Já soube de mulheres apedrejadas até a morte? De outras que tiveram o clitóris extraído para inibir o prazer? De locais onde mulheres são obrigadas a gerar filhos, mesmo sem querer? Lugares onde só se toleram os padrões de gênero convencionais, e que penalizam com prisão e morte quem ousa o espelho? Sei que há quem pense que se armar é a solução. E que no mundo todo existe muita gente que escarafuncha na religião e na Bíblia até achar algum desígnio ou versículo que justifique qualquer de seus atos violentos.

Há quem queira uma sociedade organizada por líderes sedentos de poder, propondo sim um novo governo, mas militarizado, hierárquico, não laico e no qual as mulheres parecem ser vistas ou como erros ou como ideais para formar família com papai. Menino, menina. Rosa. Azul.

Já se chama Realidade.

Então é isso a distopia? Na definição: “lugar ou estado imaginário em que se vive em condições de extrema opressão, desespero ou privação; representação ou descrição de uma organização social futura caracterizada por condições de vida insuportáveis, com o objetivo de criticar tendências da sociedade atual”.

As aias da série baseada em romance escrito em 1985 pela canadense Margaret Atwood têm os olhos marejados com olheiras profundas que em si falam de uma tristeza universal. Andam em pares, sempre uniformizadas em candentes e longas vestes vermelhas. Um chapéu-touca branco, engomado, oculta os seus rostos e cabelos. Observadas por soldados fortemente armados vestidos de negro saem apenas quando mandam ou para fazer compras em lugares assépticos. “Aos seus Olhos”, como se homens pudessem ser os olhos de Deus.

Uma vez por mês, em seu período fértil, são encaixadas entre as coxas de suas senhoras que lhes seguram as mãos enquanto assistem silenciosas ao que chamam “Cerimônia”. As pernas das aias são abertas e elas estupradas até que fiquem grávidas. Então, por nove meses as tratam bem, depois as jogam fora. Ainda estão vivas, aliás, apenas porque são férteis. Ali são obrigadas a ter filhos, que logo lhes são retirados, e aí seu futuro fica ainda mais incerto. Se não o fossem, já teriam sido mortas ou logo morreriam em colônias de trabalho forçado e tóxico, o destino das infiéis, ou que tenham feito qualquer coisa não aprovada em sua vida anterior. A que tinham antes dessa “revolução”, ou golpe, que matou e mata ou tortura sem dó. Em nome do Senhor...

Chama-se República de Gilead essa sociedade retratada na série. Em um futuro que não parece distante - porque há detalhes que neles nos reconhecemos - um grupo cristão fundamentalista toma o poder nos EUA e lá estabelece esse terrível e cruel regime totalitário. Embora texto escrito há mais de 30 anos aponta para o mundo onde já estamos de certa forma plantados.

Por que é que eu estou falando disso? Achei que talvez fosse bom sugerir que assista antes da eleição. Procure. Quem tem NET, no Now e na Paramount. É de uma beleza emocionante, não por menos tem ganhado vários prêmios. Está na terceira temporada (aqui, ainda na segunda). Sem spoiler. Não sei ainda no que vai dar, estou muito curiosa e ansiosa para saber. Igual a nós todos aqui por esses dias.

The Handmaid`s Tale vale – principalmente para as mulheres - uma reflexão e tanto, muito além de nossas utopias ou de distopias. Muito real. Já vimos algumas partes desse filme. E dessas guerras.

Brasil, 1,2,3...Era uma vez...









* Marli Gonçalves, jornalista Gostei de escrever sobre um seriado de tevê. Mas não consegui deixar de pensar nos paralelos. Tenho um blog. Divertido e informante ao mesmo tempo, no marligo.wordpress.com. Estou no Facebook e no Twitter. Visite o "Chumbo Gordo": www.chumbogordo.com.br.  e-mails: marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br.


Leia> O Brasil Sobre Rodas.

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

HELIBRAS ENTREGA 10º H225M PARA O EXÉRCITO BRASILEIRO.

A Helibras acaba de entregar mais um H225M para as Forças Armadas. A 10º aeronave do Exército Brasileiro (EB) ficará baseada no 1º Batalhão de Aviação (BAvEx), em Taubaté, e é a 32º entrega do programa H-XBR, firmado em 2008 com o Ministério da Defesa para fornecimento de 50 helicópteros do modelo.


Modelo entregue conta com sistemas exclusivos para as operações do Exército. Crédito: Helibras

O H225M em versão Operacional é equipado com o sistema de autodefesa modelo IDAS-3. Esse sistema é capaz de detectar e identificar diversos tipos de ameaças por meio de sensores de laser, míssil e radar, permitindo também o disparo de dispositivos de contramedida de maneira automática ou manual.

A última entrega do cronograma ocorreu no início deste mês para a Força Aérea Brasileira. Há previsão de mais uma entrega ao EB ainda neste ano. 

A  Helibras é a única fabricante brasileira de helicópteros, subsidiária da Airbus, líder mundial nos segmentos aeroespacial e de serviços relacionadas à defesa. Em seus 40 anos de atividades, a Helibras já entregou cerca de 800 helicópteros no país. É líder do mercado brasileiro com participação de 50% na frota de helicópteros a turbina e mantém instalações em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Atibaia e Brasília. Sua fábrica, que emprega mais de 500 profissionais, produz as aeronaves H125 – Esquilo e H225/H225M, além de executar modernizações  de aeronaves. A empresa também customiza diversos modelos que atendem os segmentos civil e militar. Em 2017, a Helibras registrou faturamento total de R$ 519 milhões

JeffreyGroup.

Leia> O Brasil Sobre Rodas.

SESC SÃO CAETANO: PROJETO "MÚSICA NO JARDIM" RECEBE ADORADORES DE MÚSICA INSTRUMENTAL.


Em clima intimista, projeto tem foco em música instrumental com versões acústicas.


Com o sucesso das apresentações acústicas nas manhãs dos últimos sábados do mês no dia 29 de Setembro a partir das 11h o Sesc São Caetano continua aproveitando do clima aconchegante de seu jardim para receber o projeto mensal "Música no Jardim", em proposta de música instrumental e erudita apresentadas no formato acústico, trás " Duo entre latinos" com a flautista Angela Coltri e o violonista colombiano José Valencia, desenvolverão arranjos próprios baseados em músicas populares da América Latina, passeando pelas fronteiras entre o erudito e o popular, em apresentação gratuita e aberta ao público geral.

De origens e formações instrumentais diferentes, o duo expõe a proposta de realizar uma viagem musical pela América Latina, transitaram por diferentes países ao longo da apresentação, como Cuba, Peru, Colômbia, Argentina e Panamá. As canções incorporavam os ritmos e gêneros tradicionais de cada país, como o bolero mexicano ou a milonga argentina, desse último destacou-se "Milonga Gris" e, do primeiro, "Sabor a Mi", do compositor mexicano Álvaro Carrillo, dentro do repertório também o bolero cubano "Lágrimas Negras" de Miguel Matamoros.

Serviço
Sesc São Caetano
Rua Piauí - 554 - Santa Paula
São Caetano do Sul - SP
29 de Setembro - 11h
Duração: 60 minutos
Recomendação etária: Livre
Ingressos: Grátis
Informações: (11) 4223-8800
Para informações sobre outras programações acesse o portal sescsp.org.br.
Horário de atendimento/bilheteria do Sesc São Caetano:
Segunda a sexta, 9:00 às 21:30, sábados e feriados, das 9h às 17h30 .

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

BASF DESENVOLVE A PRIMEIRA ESPUMA DE PARTÍCULAS BASEADA EM POLIETERSULFONA DO MUNDO.


Após dois anos de pesquisa intensiva, a BASF agora é capaz de apresentar protótipos da primeira espuma de partículas do mundo baseada em polietersulfona (PESU). A espuma é caracterizada pela sua combinação única de propriedades: resistência a altas temperaturas, retardamento inerente de chama - e seu peso extremamente leve unido à grande rigidez e força. É, portanto, particularmente adequado para componentes de formato complexo em carros, aviões e trens, que exigem excelentes propriedades mecânicas, juntamente com a capacidade de resistir a altas temperaturas de operação ou de atender aos rigorosos requisitos de retardadores de chama. O granulado expansível PESU é pré-espumado em esferas com baixas densidades entre 40 e 120 g/L e pode ser processado em peças moldadas com geometrias 3D complexas usando tecnologias disponíveis no mercado.

Graças a essas espumas termoplásticas é possível obter novos componentes leves que, comparados com as tradicionais peças termoplásticas, têm melhores propriedades e são uma resposta a tendências como a mobilidade eletrônica na construção automotiva, a modernização de aeronaves interiores da cabina e o aumento dos requisitos de retardadores de chama nos transportes públicos.

Ultrason® E, o PESU da BASF, é um termoplástico amorfo com um perfil de temperatura único: tem uma temperatura de transição vítrea elevada de 225°C e permanece dimensionalmente estável até esta temperatura. Possui excelentes propriedades mecânicas e dielétricas (isolantes), com uso aprovado para aeronaves. Com seu índice de limitação de oxigênio 38, excepcionalmente alto (segundo ASTM D 2863), o material se distingue porque atende aos requisitos para aeronaves comerciais com relação a combustibilidade, baixa liberação de calor e baixa densidade de fumaça (fogo, fumaça, toxicidade) mesmo sem a adição de retardadores de chama, o que significa que é intrinsecamente retardante de chama.

Espuma de partículas para novos componentes leves


No que diz respeito à nova espuma de partículas PESU, isto implica que, apesar da baixa densidade, podem ser fabricados componentes extremamente rígidos e resistentes que tenham excelente estabilidade dimensional a altas temperaturas. As peças moldadas expandidas feitas de um único material oferecem inúmeras vantagens em comparação com as tradicionais estruturas tipo colmeia revestidas com resinas fenólicas: elas oferecem flexibilidade considerável em termos de densidades e formas e, portanto, maior liberdade no design. Há menos etapas de processamento e, portanto, menores custos do sistema. Peças funcionais adicionais, como pastilhas e roscas podem ser integradas nas geometrias complexas. E, por último, mas não menos importante, a reciclagem das peças pode ser facilmente realizada, já que o polímero é de uma única origem.

Ultrason® é o nome comercial da gama de produtos de polietersulfona (Ultrason® E), polissulfona (Ultrason® S) e polifenilsulfona (Ultrason® P) da BASF. O material de alto desempenho é usado para fabricar componentes leves nas indústrias eletrônica, automotiva e aeroespacial, mas também em membranas de filtração de água e em partes que entram em contato com água quente e alimentos. Devido ao seu extraordinário perfil de propriedade, as marcas Ultrason® podem substituir termofixos, metais e cerâmicas.

BASF: experiência única em espumas


A BASF tem uma especialização única em espumas que são usadas com sucesso em vários setores. Em 1951, a empresa patenteou a primeira espuma de partículas de sempre: a espuma branca clássica feita de poliestireno expansível (EPS) - Styropor®. Desde então, ela estabeleceu o padrão para aplicações de isolamento e embalagem e foi desenvolvido no Neopor® de alto desempenho para materiais de isolamento em 1997. A BASF também foi pioneira em espuma de blocos: desde 1964, a BASF produz o material de isolamento Styrodur®, o poliestireno expandido (XPS) para uso na construção. A empresa também apresentou ao mercado outras espumas de alto desempenho: Basotect®, uma espuma de célula aberta flexível feita a partir da resina de melamina termoendurecida para aplicações acústicas, de transporte e limpeza, bem como o Neopolen®, uma espuma de polipropileno ( EPP) com alta absorção de energia e boa resiliência. As inovações mais recentes são Infinergy®, o primeiro poliuretano termoplástico expandido (E-TPU) do mundo, que tem causado sensação na indústria de calçados esportivos, e ecovio® EA, uma espuma de partículas expansível compostável certificada com alta relação de base biológica para transporte embalagem, que contribui para circular a economia.

A divisão Performance Materials da BASF engloba todo o know-how de materiais da BASF em relação a plásticos inovadores e personalizados sob o mesmo teto. Ativa global em quatro setores principais da indústria – transporte, construção, aplicações industriais e bens de consumo - a divisão tem um forte portfólio de produtos e serviços combinado com um profundo entendimento de soluções de sistemas orientados para aplicações. Os principais impulsionadores de rentabilidade e crescimento são nossa estreita colaboração com os clientes e um foco claro em soluções. Fortes capacidades em R&D fornecem a base para o desenvolvimento de produtos e aplicações inovadoras. Em 2017, a divisão Performance Materials alcançou vendas globais de €7,7 bilhões. 

Visite www.basf.com.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

COMPLEXO NÁUTICO CATARINENSE RECEBE MEGAIATE DE MAIS DE 40 METROS.

Luxuosa embarcação de 144 pés da italiana Benetti Yachts está na Marina Itajaí. 

Com mais de 40 metros de comprimento, a embarcação da italiana e centenária Benetti Yachts - líder mundial na construção de megaiates e gigaiates de alto luxo - acaba de atracar na Marina Itajaí. Assim como a Benetti 144, outras embarcações a motor e a vela de grande porte, acima de 30 metros, já utilizaram o complexo náutico catarinense para guarda ou para realização de serviços como reparos e manutenções preventivas.

São barcos procedentes não apenas do Brasil, mas com bandeiras de diversas partes do mundo, o que demonstra o impulso gerado por meio da estrutura náutica para movimentação e valorização econômica da região.

"Assim como este megaiate que está atracado hoje na marina, há exatos dois anos, recebíamos uma embarcação de 172 pés, ambos de dimensões bastante consideráveis. Cada embarcação que chega na Marina Itajaí é de suma importância não apenas para o complexo, mas para toda a nossa região. Além dos vários empregos gerados diretamente apenas para atender um barco de grande porte, os navegadores, na maioria das vezes, usufruem de uma série de serviços de fornecedores locais, compra de peças, além da infraestrutura de lazer e de apoio catarinense como turismo, compras, gastronomia, entre vários outros. É também uma justificativa de quanto a náutica é um importante agregado ao turismo brasileiro, aos negócios, e um potencial em desenvolvimento", explica o diretor náutico da Marina Itajaí, Carlos Oliveira.

A Marina Itajaí, graças à sua completa estrutura, é um exemplo da contribuição do desenvolvimento da região por conta da náutica. O complexo, que pode receber de pequenas embarcações a grandes iates e veleiros de mais de 170 pés, também está em baía protegida que não sofre influência de marés e conta com um calado de 4 metros de profundidade facilitando o acesso dos barcos. Também tem servido de ponto de apoio e parada para quem deseja realizar manutenções e reparos – possui amplo pátio que permite, por exemplo, a realização de serviços simultâneos em até 11 embarcações de 80 pés - além de ter equipamentos modernos para movimentação de barcos de até 75 toneladas e única marina do sul com posto de combustível com Diesel Verana.

Outro fator que tem contribuído para que os navegadores escolham pela Marina Itajaí está a sua localização estratégica. No centro da cidade de Itajaí permite fácil acesso ao comércio, serviços e atrativos, além de estar próxima aos principais destinos turísticos e náuticos do estado como Balneário Camboriú, Joinville, Florianópolis, Joinville, Porto Belo e Bombinhas.

Inaugurada em dezembro de 2015, a Marina Itajaí está localizada no centro da cidade catarinense de Itajaí – na Rua Vereador Carlos Ely Castro n° 100, ao lado do Centreventos, - sendo um importante polo náutico, naval, turístico e industrial. A marina oferece atualmente 320 vagas, sendo 155 vagas secas e 165 vagas molhadas. Modernos equipamentos como ForkLift para até 12 toneladas e TravelLift para até 75 toneladas, são um diferencial na sua configuração; ainda há posto de combustível com bandeira BR sendo a única marina no sul do país com Diesel Verana. Possui opções de lazer como espaço gastronômico  e amplo estacionamento como parte de sua estrutura.

Rotas Comunicação.