sexta-feira, 7 de agosto de 2020

RENAULT DO BRASIL PUBLICA RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2019


A Renault do Brasil, por meio do Instituto Renault, acaba de publicar o relatório de sustentabilidade referente ao ano de 2019, contendo informações sobre as ações e os resultados da montadora nos âmbitos ambiental, social e de negócio. É possível visualizar ou baixar o relatório completo pelo site do Instituto Renault, no endereço: 
http://institutorenault.com.br/relatorio_sustentabilidade/index. O período de apuração da publicação foi de 01/01/2019 até 31/12/2019.

“Desde 2011, o Instituto Renault vem publicando anualmente o Relatório de Sustentabilidade da Renault do Brasil de acordo com as normas da Global Reporting Initiative - GRI, refletindo a busca por tornar sempre cada vez mais transparente o relacionamento e o diálogo com as os parceiros: fornecedores, colaboradores, concessionários, Governo, organizações civis e sociedade em geral”, comenta Caique Ferreira, vice-presidente do Instituto Renault, diretor de comunicação da Renault para a região Américas e diretor de comunicação da Renault do Brasil.

Em 2019, a Renault do Brasil conquistou reconhecimentos importantes, sendo premiada com o título de Melhor Empresa no setor Autoindústria, na premiação “Melhores & Maiores” da revista Exame e figurando entre as Melhores Empresas para se Trabalhar, no Guia Exame Você S.A.. Também recebeu o prêmio de montadora com o melhor atendimento ao cliente do segundo o Ranking Exame IBRC 2019.

O Meio Ambiente


Pelo terceiro ano consecutivo a montadora mantém o título de aterro zero, por reutilizar ou reciclar 100% dos resíduos gerados pela fábrica. Acompanhando o posicionamento do Grupo Renault, a equipe de Resíduos da Renault do Brasil adota um processo de gestão de resíduos industriais baseado nos princípios da Política Nacional de Resíduos Sólidos e dos conceitos de Economia Circular, alinhado com a essência do desenvolvimento sustentável.

Os principais resultados dessa prática no aspecto ambiental contemplam

- Eliminação do envio para aterro industrial de cerca de 500 toneladas de resíduos por ano, passando ao coprocessamento e reciclagem.
- Implantação do projeto Economia Circular, que passou a reinserir anualmente no processo produtivo cerca de 70.000 toneladas de resíduos provenientes dos processos industriais.
- Reutilização de cerca de 125.000 embalagens por ano, evitando a aquisição de novas unidades Além do desempenho ambiental, a gestão de resíduos representou em 2019 uma economia de mais de 45 milhões de reais para a empresa.

Redução de resíduos
Com a adoção das novas práticas, a Renault conseguiu promover uma redução de 6,55% na geração de resíduos por unidade produzida no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais (PR).

Redução no consumo de água por veículo
A preservação dos recursos hídricos é essencial tanto para garantir a durabilidade do suprimento como para reduzir os impactos sobre os ecossistemas. Ciente do papel da indústria nesse cenário, a Renault do Brasil monitora e reporta anualmente à matriz os indicadores de consumo e descarte de água, assegurando o uso responsável do recurso e a inclusão desses indicadores na análise do ciclo de vida dos produtos.

A performance de cada fábrica contribuiu para um bom desempenho geral do Complexo Ayrton Senna, que registrou o índice de redução de 6% no consumo de água por unidade fabricada, mesmo índice de redução obtido no consumo total.
Com a implantação de uma nova linha de montagem de motores, a CMO recebeu importantes investimentos na modernização de equipamentos, resultando em processos produtivos mais eficientes, com menos vazamentos e menor consumo de água, que se traduziram no índice de 10% de redução no consumo de água por motor fabricado.

Já na CVP, a instalação do sistema de reutilização da água das duchas de estanqueidade da linha de montagem foi o principal fator na redução do consumo por veículo em 6%.

O alto índice apresentado pela CIA corresponde ao alcance da cadência normal de produção, no entanto, o consumo da unidade é irrelevante no desempenho geral do CAS.

Matéria-prima reciclada
O engajamento do Grupo Renault na utilização de materiais reciclados é reconhecido internacionalmente graças à metodologia de análise de criticidade de matérias-primas desenvolvida pela empresa, uma referência na Europa. No Brasil, integrado ao RTA (Renault Tecnologia Américas), o Líder Técnico Local assegura a aplicação das determinações do Grupo Renault em matéria de eco concepção, eco design e reciclagem, a exemplo da norma interna que determina para todos os veículos um percentual mínimo de 95% de materiais reaproveitáveis e 85% recicláveis, com a finalidade de incluir, desde a concepção, a preocupação com o ciclo de vida do produto.

Segurança: Um valor para o Grupo Renault


Priorizando a segurança de seus colaboradores, em 2019 a Renault promoveu diversas ações e campanhas reforçando a necessidade de cuidar se si e de seus colegas de trabalho. 100% dos colaboradores das áreas de produção, incluindo prestadores de serviço e terceiros, receberam treinamento no Dojo da segurança. Acompanhado diretamente pela Direção de Fabricação, o gerenciamento dos riscos relacionados ao tema foi pauta de ações de comunicação, treinamento e engajamento das equipes de produção, consolidando a aplicação dos 10 Mandamentos da Segurança na prevenção de acidentes.

O comprometimento da alta gestão, aliado a uma equipe dedicada de técnicos especializados em segurança do trabalho e o investimento constante no mapeamento de riscos e na sistematização do comportamento de segurança, posiciona as três plantas da Renault do Brasil entre as 10 unidades fabris do Grupo Renault com os menores índices de acidentes de trabalho. Em 2019, o número total de acidentes foi reduzido em 2,5% comparativamente ao ano anterior.

Em 2019, o Grupo Renault também assinou com o IndustriALL Union Group um novo acordo mundial intitulado “Construindo o mundo do trabalho em conjunto no Grupo Renault”, que destaca sua ambição de conciliar bem-estar no trabalho e desempenho coletivo. Este acordo inovador confirma o compromisso da empresa de respeitar os direitos sociais fundamentais e inclui a convenção adotada em 2019 pela OIT para combater violência e assédio no local de trabalho.

O acordo teve desdobramento por região, notadamente no Brasil, onde as tratativas locais pautaram-se na garantia de melhoria contínua da qualidade de vida no trabalho. A partir do Programa Bem-estar Renault, a Renault do Brasil estabeleceu um memorando de entendimento com os parceiros sociais para formalizar o compromisso conjunto de desenvolver práticas nos cinco eixos do acordo e assim, enriquecer a qualidade do diálogo social local.

Líder em Veículos Elétricos


A Renault concluiu o ano de 2019 como líder do mercado de veículos 100% elétricos no Brasil, tendo comercializado mais de 100 unidades no último ano. Ao todo, mais de 300 veículos 100% elétricos Renault circulam pelo Brasil, comercializados a clientes finais ou presentes em projetos de mobilidade e na frota de empresas e instituições pioneiras como: Itaipu, FedEx, MRV Engenharia, Companhia Paulista de Luz e Força (CPFL), Grupo TPC, Beep Beep, Graphus, entre outras.

Programa Geração Futuro


O Relatório de Sustentabilidade 2019 também apresenta indicadores sociais. No capítulo 11 – Desenvolvimento da comunidade do entorno, o destaque é a criação do programa “Geração Futuro”, iniciativa educacional de qualificação e capacitação de jovens da comunidade da Borda do Campo, em São José dos Pinhais, com o objetivo de ampliar suas perspectivas de acesso ao mercado de trabalho e transformar o futuro dos indivíduos e da comunidade.

O programa é uma resposta do Instituto Renault aos aspectos de vulnerabilidade apontados pelo Mapa Social da Borda do Campo, realizado em 2019, e integra o compromisso da Renault do Brasil com o desenvolvimento econômico e social da região onde está situada. A formação vai beneficiar 120 jovens até o final de 2020. Dos 40 jovens matriculados na turma de 2019, 39 concluíram a formação, dos quais 18 foram contratados, sendo 13 pela Renault como efetivos, estagiários ou aprendizes e 5 por outras empresas.

O Instituto Renault


Fundado em 2010, o Instituto Renault já impactou mais de 740 mil pessoas, atuando em dois eixos: Inclusão e Mobilidade Sustentável.

No eixo Inclusão, o Instituto Renault apoia a Associação Borda Viva, para promoção do desenvolvimento social, da segurança alimentar para crianças e do empoderamento feminino por meio do empreendedorismo e da geração de renda.  O Instituto também promove o Renault Experience, projeto que tem como objetivo estimular o empreendedorismo e a inovação entre universitários de todo o país na busca por soluções que facilitem o dia a dia da sociedade. Desde 2018, além da categoria Soluções de Mobilidade, foram criadas duas novas:  Negócios Sociais e Desafio Twizy.

No eixo Mobilidade Sustentável, destaque para o Programa “O Trânsito e Eu”, de educação para segurança no trânsito, presente de forma permanente em oito municípios do país: Curitiba, São José dos Pinhais, Maringá e Arapongas, no Paraná; Pelotas (RS); além das cidades paulistas de São Bernardo do Campo, Santa Bárbara d’Oeste e São Paulo, capital. O programa também desenvolve ações itinerantes em parques, shoppings e eventos. Cerca de 230 mil crianças já foram impactadas pela iniciativa. No mesmo eixo, a Renault já comercializou cerca de 300 veículos 100% elétricos no Brasil a empresas que possuem projetos relacionados à mobilidade zero emissão.


Visualize ou baixe o relatório completo de sustentabilidade pelo site do Instituto Renault. 
Acesse: http://institutorenault.com.br/relatorio_sustentabilidade/index.

Renault do Brasil

Leia> O Brasil Sobre Rodas

CASA DA MÃE JOANA.
Por Marli Gonçalves*

CARTA ÀS 77.649.568 ELEITORAS BRASILEIRAS

Mais precisamente às 77 milhões, 649 mil, 569 eleitoras, contando comigo, que estou e estarei bastante atenta às questões relacionadas às mulheres e a outras que poderemos influenciar muito com o nosso voto, agora em 2020, e em todas as eleições para as quais as brasileiras forem chamadas a opinar; e somos maioria. O voto é uma arma, pacífica. Precisamos usá-la. Por nós, mulheres, pelas nossas famílias, por todos os brasileiros, por um futuro mais digno.

Prezadas,

Vejam que estamos em 2020 e ainda não somos respeitadas e nem representadas na medida em que somos a maioria da população brasileira. Nem nos cargos legislativos, nem em outros, incluindo Executivo, Judiciário e, ainda, nem na sociedade, nem dentro de empresas, ou no comando, nem no respeito. A população brasileira é composta por 48,2% de homens e 51,8% de mulheres. (Dados IBGE/ PNAD Contínua/2019). Em termos eleitorais, somos 52,49% do total; os homens, 47,48% do total. (TSE/2020). Podemos ser a decisão, pela melhoria para todos.

Acredita? Por aqui, por exemplo, as mulheres compõem apenas 10,5% do conjunto de deputados federais. E de um total de 192 países, o Brasil ocupa a 152ª posição no ranking de representatividade feminina na Câmara dos Deputados, ficando até atrás de países como o Senegal, Etiópia e Equador.

A eleição deste ano, para prefeitos e vereadores, é aquela que está mais perto de nós, de nossa ação. É a que cuida de nossa região, onde vivemos e onde passamos nossas vidas, onde está a nossa casa, as mesmas casas onde um número absurdo de mulheres continuam sendo assassinadas por seus companheiros e ex-companheiros, e onde a proteção policial e as promessas de proteção ou garantias não têm passado em geral de apenas promessas. Você está vendo isso, não? Sentindo na própria pele, talvez?

São Paulo, por exemplo, registrou 87 mortes por feminicídio apenas no primeiro semestre de 2020. O maior número de casos desde a criação, em 2015, da lei que especifica o crime – é o homicídio praticado contra a mulher em decorrência única e exclusiva do fato da vítima ser mulher (misoginia e menosprezo pela condição feminina ou discriminação de gênero, fatos que também podem envolver violência sexual), ou em decorrência de violência doméstica. No Brasil todo dados preliminares mostram aumento de mais de 22% nesse crime, em relação ao ano passado, que já era absurdo, e apenas contando os primeiros meses do ano. Uma situação ainda claramente mais agravada pela pandemia, quarentena e necessidade de isolamento social, crise econômica, etc.

Esta é apenas uma questão, mais específica. Temos todo um país a resolver, atrasado com relação a tudo, Educação, Saúde, Saneamento, aprimoramento da cidadania. Não é só uma questão de cotas – temos 30% de cotas nas candidaturas, mas sempre manipuladas, usadas para obtenção do Fundo Partidário, com nomes que muitas vezes, usadas como laranjas, nem as próprias mulheres sabem que as colocaram para votação nas chapas partidárias. Anime-se inclusive a se candidatar, vamos!

Meu apelo é para a consciência; não é reserva de mercado, nem obrigação de votar apenas em mulheres, mas que o façam, participem, votem, e em pessoas sérias, que estejam comprometidas verdadeiramente com a sociedade em geral, sejam de que gênero ou raça forem, idade ou classe social. Será esse comportamento que levará à melhoria das condições, não só na política. Nos fazer ouvidas.

De qualquer forma são as mulheres que sempre têm a maior noção do que todos enfrentamos, fatos tão agravados este ano e que terão ainda ampla repercussão pelos próximos tempos: desemprego, falta de assistência, necessidades especiais e de direito reprodutivo, segurança – as mulheres são sempre as primeiras vítimas. E é cada vez maior o número de nós chefes de família, como principais responsáveis pelo sustento.

Chega de nos contentarmos com migalhas, segundo plano, pequenas conquistas que chegam de forma tão lenta, e que nos são devidas há décadas.

Peço encarecidamente que se informem, não acreditem em notícias falsas, pensem com suas próprias cabeças, sejam independentes, respeitem-se entre si, estendam a mão a outras mulheres ampliando nossa ação, explicando como se dá a igualdade de direitos, e quais são esses direitos, que as mulheres, merecidamente, tem até em maior número por conta de sua fisiologia. Estenda a mão e atenda os gritos de socorro ao seu redor.

Vamos parar de achar normal o que não é – e nesse momento nada está normal; estamos vivendo num país perigosamente flertando com o retrocesso em vários campos, e onde até nossas acanhadas conquistas estão em risco, desmerecidas diariamente que vêm sendo.

Chamo você para o nosso encontro mais importante este ano: domingo, 15 de novembro, primeiro turno; e domingo, 29 de novembro, segundo turno, onde houver. Se arrume toda, chama a família, aproveite para arejar as ideias. Pensa bem em quem vai acreditar. Ah, e use máscara, que até lá ainda estaremos em perigo.

Todas nós contamos especialmente com todas nós.

Marli Gonçalves. 
Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. À venda nas livrarias e online, pela Editora e pela Amazon.
Me encontre, me siga, juntos somos mais.
marligo@uol.com.br
marli@brickmann.com.br


Leia> O Brasil Sobre Rodas

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

CUMMINS INAUGURA TRÊS NOVAS APLICAÇÕES NO SEGMENTO DE CONSTRUÇÃO

A Cummins Brasil celebra três novas aplicações no segmento de construção no Brasil. As novas pás carregadeiras da JCB, 426ZX, 427ZX e 437ZX que acabam de ser lançadas no País, receberam motorização da líder global em energia, QSB 6.7, entre 160 hp e 173 hp.



“Iniciamos o desenvolvimento de integração dos motores e máquinas há um ano juntamente com o cliente. O trabalho teve envolvimento dos times de engenharia de ambas as companhias no Brasil e na Inglaterra, para a realização de testes simultâneos e de homologação” diz Bruno Kojima, engenheiro de Vendas Off Highway da Cummins Brasil.

Ainda de acordo com o engenheiro, “a flexibilidade dos nossos produtos permitiu a perfeita adaptação nas novas aplicações, sendo necessário somente ajustes de calibração nos motores QSB 6.7 para atender às necessidades do cliente, de acordo com o regime de trabalho e peso operacional dos equipamentos para a melhor eficiência das nossas motorizações”.

Em conformidade com as atuais normas de emissões vigentes para equipamentos de construção no País, MAR I, o motor eletrônico Cummins QSB 6.7 traz benefícios como confiabilidade, redução de custo operacional, desempenho e conforto, manutenção com melhorias no diagnóstico de falhas evitando reparos desnecessários e sinergia operacional.


As novas pás carregadeiras da JCB 426ZX (160 hp), 427ZX (160 hp) e 437ZX (173 hp) equipadas com a motorização Cummins já estão disponíveis no mercado de construção e trazem garantia de um ano.

GENERAL MOTORS ACELERA SUA CAPACIDADE DE IMPRESSÃO 3D

Com o avanço da pandemia da Covid-19 este ano, a impressão 3D emergiu como uma tecnologia ágil e eficaz para a produção de equipamentos de proteção individual, de protótipos de equipamentos médicos e de swabs orofaringe utilizados na coleta de material para exames. 


A General Motors, que vem ampliando seus investimentos em impressão 3D nos últimos dois anos, acredita que os benefícios promovidos pela tecnologia continuarão mesmo depois da pandemia. A empresa adicionou, no final do ano passado, 17 impressoras 3D Stratasys (NASDAQ: SSYS) FDM, de manufatura aditiva industrial, e passou a produzir ferramentas impressas em 3D para aumentar a velocidade, reduzir o peso e melhorar a eficiência dos custos em suas linhas de produção.

Ferramentas impressas em 3D da GM usadas para ventiladores de cuidados intensivos nos sistemas Stratasys. Foto: Business Wire

"A impressão 3D nos ajuda a enfrentar os desafios e a nos tornarmos mais ágeis para lidar com o ritmo acelerado das mudanças na indústria moderna e que aumentam as incertezas nos negócios", afirma o diretor de Manufatura Aditiva da GM, Ron Daul, ao destacar que a empresa já está nessa jornada há mais de 30 anos, mas que a impressão 3D está se tornando ainda mais difundida na empresa. "Já temos mais de 700 funcionários treinados para usar a tecnologia. A manufatura aditiva está contribuindo, constantemente, para sermos mais rápidos e eficientes no desenvolvimento de produtos e protótipos, de ferramentas e equipamentos de segurança, e mais benefícios devem ser alcançados."

Um estudo da SME Media revelou que 25% dos profissionais de manufatura nos EUA planejavam mudar suas cadeias de suprimentos em função da pandemia, e que a impressão 3D (com robótica) era a melhor escolha entre 11 tecnologias de manufatura para se investir após o Covid-19. A tecnologia pode ser usada para imprimir peças de reposição em 3D, produzir peças de uso final mais próximas da montagem, ajudar a reposição de ferramentas nas linhas de fabricação mais rapidamente e agilizar o desenvolvimento de novos e melhores protótipos.

A General Motors está movendo-se mais rápido do que algumas indústrias para aproveitar a vantagem competitiva. A empresa, que utiliza a impressão 3D para prototipagem desde 1989, utilizou a tecnologia para produzir 75% das peças do protótipo do Chevrolet Corvette 2020. Hoje, possui impressoras 3D instaladas em muitas unidades de produção em todo o mundo e, cada vez mais, está ampliando sua utilização para outras aplicações relacionadas à linha de produção, como ferramentaria, por exemplo.

Um grande teste foi realizado em abril, quando a GM fechou um contrato com o Department of Health and Human Services dos EUA para produzir, até o fim de agosto, 30.000 unidades de ventiladores para UTIs, em colaboração com a Ventec Life Systems . 

A empresa realizou a engenharia reversa em peças de reposição de um ventilador original, e começou a imprimi-las em 3D no dia seguinte, usando em soluções de manufatura aditiva da Stratasys. As ferramentas utilizadas na produção dos ventiladores também foram impressas em 3D. Quando uma empresa exige mais capacidade de impressão 3D, ela automaticamente pode contar com o Stratasys Direct Manufacturing para produzir sob demanda. Isso ajudou a GM a operar com uma alta taxa de utilização das máquinas existentes, e a expandir sua capacidade interna.

A inovação de materiais e a repetibilidade de máquina fizeram toda a diferença. Por exemplo, o Nylon12 Carbo n Fiber é um material composto que contém 35% de fibra de carbono em peso, e que se traduz em uma relação resistência / peso excepcionalmente alta, mesmo em locais sujeitos a fortes vibrações. Como resultado, peças pesadas, que antes exigiam uso de metal, agora podem ser impressas em 3D, utilizando polímeros. Sistemas industriais de manufatura aditiva Stratasys, como a F900, foram projetados para executar um alto grau de precisão e de consistência para que cada peça seja o mais idêntica possível.

"A GM vem realizando investimentos inteligentes em impressão 3D para obter sucesso neste novo normal de incertezas e disrupção", afirma Rich Garrity, presidente da Stratasys Americas. "Como resultado, passa a contar com linhas de fabricação mais adaptáveis e menos caras, e pode desenvolver mais rapidamente produtos melhores. A GM é um modelo claro do futuro da manufatura aditiva na indústria automotiva."

General Motors


A General Motors (NYSE: GM) é uma empresa global comprometida em oferecer maneiras mais seguras, melhores e mais sustentáveis para as pessoas se locomoverem. A General Motors, suas subsidiárias e suas entidades de joint venture vendem veículos sob as marcas Chevrolet, Buick, GMC, Cadillac, Holden, Baojun e Wuling. Mais informações sobre a empresa e suas subsidiárias, incluindo a OnStar, líder global em serviços de segurança veicular, podem ser encontradas em http://www.gm.com.

Stratasys


A Stratasys é líder global em manufatura aditiva ou tecnologia de impressão 3D e é fabricante das impressoras 3D FDM® e PolyJet™. As tecnologias da empresa são usadas para criar protótipos, ferramentas de fabricação e peças de produção para indústrias, incluindo aeroespacial, automotiva, saúde, produtos de consumo e educação. Por 30 anos, os produtos da Stratasys têm ajudado os fabricantes a reduzir o tempo de desenvolvimento de produtos, o custo e o tempo de colocação no mercado, bem como reduzir ou eliminar os custos de ferramentas e melhorar a qualidade dos produtos. O ecossistema de soluções e expertise em impressão 3D da Stratasys inclui: impressoras 3D, materiais, software, serviços especializados e produção de peças sob demanda. Online em: http://blog.stratasys.com e LinkedIn.

A Stratasys é uma marca registrada e o selo Stratasys é uma marca registrada da Stratasys Ltd. e/ou de suas subsidiárias ou afiliadas. Todas as outras marcas comerciais são propriedade de seus respectivos proprietários.

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

MARCOPOLO PROMOVE AÇÃO SOLIDÁRIA NO MÊS DO SEU ANIVERSÁRIO

Objetivo é distribuir cestas básicas para todas as famílias atendidas pelo Projeto Escolas da Fundação Marcopolo


Durante todo o mês de agosto, quando é celebrado o aniversário da Marcopolo, a empresa, em parceria com a Fundação Marcopolo e com a Marcopolo Parts, plataforma online para venda de componentes de carrocerias, chassis e produtos das marcas Marcopolo, Volare e Neobus, vai promover uma ação solidária para a distribuição de cestas básicas para as famílias atendidas pelo Projeto Escolas da Fundação Marcopolo em Caxias do Sul. O objetivo é distribuir mais de uma tonelada em cestas para a comunidade caxiense.

“A pandemia do novo coronavírus reforçou e motivou a solidariedade e o pensamento coletivo, tanto as empresas quanto as pessoas, criando uma verdadeira corrente do bem para ajudar e apoiar quem mais precisa. E foi justamente para ampliar ainda mais o alcance de todas as ações que a Marcopolo e a Fundação Marcopolo vêm fazendo, que decidimos por mais esta iniciativa inédita para a companhia”, declarou Carlos Tonietti, gerente comercial de Pós-venda da Marcopolo.

Desde o dia 1º. de agosto e ao longo de todo o mês, 2% sobre todas as vendas realizadas pela plataforma Marcopolo Parts, será revertida para a aquisição de cestas básicas. Essas cestas serão doadas para as famílias atendidas pelo Projeto Escolas da Fundação Marcopolo em Caxias do Sul. 



Projeto Escolas


Lançado em 2003, o Projeto Escolas surgiu após um mapeamento feito junto aos colaboradores da Marcopolo, que sugeriram à Fundação Marcopolo a realização de um trabalho educativo nas escolas do município de Caxias do Sul. Neste período, já beneficiou cerca de 18.000 pessoas, entre estudantes, professores e pessoas da comunidade, além da participação de dez escolas.

Com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento do ambiente educacional, das relações entre a comunidade escolar e a formação para a cidadania, o projeto favorece a Educação Integral por meio de atividades socioeducativas, buscando o desenvolvimento das diversas dimensões do ser humano. Entre as atividades desenvolvidas estão a capacitação dos professores, cursos técnicos preparatórios para o mercado de trabalho, implantação de música na escola com orquestra e coro e atividades esportivas. Além disso, oferece suporte a projetos por meio de recursos humanos e financeiros.

Banner: Agência EZoom

CHUMBO GORDO.
Por Carlos Brickmann*

CALA A BOCA HÁ DE MORRER


Uma ministra do STF, Carmen Lucia, repetiu há não muito tempo uma frase popular: “Cala a boca já morreu”. Outro ministro do STF, Dias Toffoli, diz agora que é preciso editar as informações que a população recebe. Não há discussão possível: Carmen Lúcia tem razão. E a Constituição proíbe a censura – e não adianta fingir que censura não é censura. Censura é censura.

Não é questão de discutir se os censurados merecem ser censurados. Não é esse o problema. O problema é que opinião não é crime e expressá-la é parte essencial de nossos direitos. Concordar ou não com o que dizem os censurados faz parte do jogo:  quem julgar que se excederam que os processe.

Ah, mas são antidemocráticos. Alguns, efetivamente, são. Mas ser contra a democracia não é proibido. Proibido é agir contra a democracia. Se algum deles estiver pondo em risco a democracia, que seja processado na forma da lei. Mas, cá entre nós, achar que uma jovem, que tirava a roupa para protestar, e um grupo, cuja principal crença é que o presidente da República é Messias e incapaz de errar, ameaçam a Constituição, é fazer pouco da democracia.

Um bom político baiano, Otávio Mangabeira, comparava a democracia a uma plantinha tenra, que exige cuidados. Estava certo. Só que cuidar não é sufocar. Cuidar da democracia exige tolerar o adversário, dispor-se ao diálogo, reconhecer seus direitos. Exige considerar os oponentes como adversários, não inimigos. Sufocar em nome do bem é o outro nome do mal.

 Chegamos lá


Alguns exemplos? O STF já mandou censurar O Antagonista e Crusoé, o Grupo Tiradentes (rádio, TV, portal) de Manaus está proibido há um ano e meio de noticiar acusações da Lava Jato, e ordenou que Twitter e Facebook censurem notícias não só no Brasil, mas também no Exterior. Esquecem a história do general linha dura Albuquerque Lima. Quis ser presidente, foi vetado por não ter quatro estrelas. E a Censura agiu rápido para silenciá-lo.

Apocalypse now


Mais do que a jovem orgulhosa de um suposto treinamento na Ucrânia, mais do que blogueiros e jornalistas bolsonaristas, alguns fanatizados, as ações do Supremo contra eles ameaçam a democracia. Há quem ache que os ministros do Supremo que os investigam sabem de algo que exige uma ação rápida. OK, de que se trata? Ou vamos ficar no O Processo, de Kafka, em que o personagem é réu sem saber o motivo do processo? A “ala ideológica” do Governo, em seu delírio para livrar-se dos perigos vermelho e amarelo, já andou mais de uma vez no terreno da perseguição ideológica, acusando gente de quem não gosta de comunista, pedófilo, petista, traidor da Pátria e – terrível crime – até mesmo de gorda!

O último episódio foi este em que o Ministério da Justiça preparou um dossiê ideológico de seus funcionários. Assim não dá: como no final do filme Apocalypse Now, é o horror, o horror.

 Boas notícias 1


O Brasil teve superávit de US$ 8,06 bilhões em julho, o maior da História. As exportações foram lideradas por produtos agrícolas e carnes; um pouco mais da metade foi para a Ásia. Só a China importou 37,9% do total. Mesmo com o presidente e o chanceler falando mal da China sempre que puderam, o agronegócio ampliou as vendas em17,3%. De janeiro a julho, a exportação foi US$ 30,383 bilhões superior às importações. Claro que também houve queda das importações, por causa da recessão. Mas superávit sempre é bom.

Boas notícias 2


Numa só informação, duas boas notícias: o BNDES vendeu 2,5% do capital da Vale, contribuindo para a privatização total da empresa; e obteve no atacado o mesmo preço da venda no varejo, um excelente resultado. No total, pôs em seus cofres algo como R$ 8 bilhões.

Boas notícias 3


O Tribunal Superior Eleitoral aceitou proposta do Partido Novo e devolverá ao Tesouro a parcela do Fundo Partidário que caberia à legenda. O Novo é contra o uso de recursos públicos na campanha e anunciou que, na atual situação de crise sanitária, todo o dinheiro disponível deve destinar-se à saúde. E pede aos demais partidos que tomem a mesma iniciativa. Até agora nenhum outro partido demonstrou qualquer simpatia pela proposta.

Guerra universitária


Os estudantes de Medicina da Universidade Brasil, em Fernandópolis, SP, estão em guerra com a direção da escola. Motivo: a grade de disciplinas foi mudada retroativamente, obrigando os alunos a refazer períodos passados, e a pagar novamente por eles. A medida deve dobrar o faturamento da escola no semestre, mas estica o curso além do previsto e deixa os estudantes mais longe da formatura. A guerra já está no Judiciário: há alguns milhares de processos de estudantes contra a Universidade Brasil, por cobranças que consideram abusivas, por notas que não foram lançadas no sistema; há ainda processos de fornecedores que alegam não ter sido pagos.

Carlos Brickmann é Escritor, Jornalista e Consultor, diretor da Brickmann & Associados Comunicação
Leia o Chumbo Gordo, informação com humor, precisão e bom. 
Assine a newsletter: chumbogordo.com.br
Siga: @CarlosBrickmann
carlos@brickmann.com.br

Leia> O Brasil Sobre Rodas

terça-feira, 4 de agosto de 2020

SOLAR GROUP ATINGE 1 GIGAWATT DE ESTRUTURAS PARA ENERGIA SOLAR EM TELHADOS NO PAÍS

A Solar Group, indústria especializada em sistemas de fixação para o mercado de energia solar, acaba de atingir 1 gigawatt comercializado em estruturas para geração distribuída sobre telhados e lajes em todo o território brasileiro.



A companhia registrou, no primeiro semestre de 2020, em meio à pandemia e à queda da atividade econômica, um crescimento de cerca de 140% no volume de negócios no País em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Para atender o crescimento dos pedidos, a Solar Group inaugurou uma nova unidade fabril, localizada na cidade de Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo, com investimentos da ordem de R$ 19 milhões.

A empresa também planeja uma série de lançamentos de novos produtos e tecnologias para o segundo semestre deste ano. A expectativa é terminar o ano com crescimento de 215% em relação ao exercício de 2019.

A nova fábrica possui capacidade quatro vezes maior da linha de montagem localizada em Itapevi, também na Grande São Paulo. A unidade de estruturas de fixação metálicas vai atender aos mercados interno e latino-americano de energia solar fotovoltaica na geração distribuída, que inclui sistemas instalados em residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos.  

Atualmente, a Solar Group conta com 210 colaboradores e possui participação em projetos fotovoltaicos em todo o território brasileiro. “Atingir o primeiro gigawatt em estruturas de geração solar distribuída é, ao mesmo tempo, motivo de muito orgulho e reflete o processo de ‘tropicalização’ da tecnologia e dos produtos que desenvolvemos a partir dos melhores projetos fotovoltaicos ao redor do mundo”, comemora Ronaldo Koloszuk, diretor comercial da organização. “Nossos esforços estão sempre direcionados para expansão das operações e na garantia de excelência no atendimento aos players do mercado”, conclui Koloszuk.

Solar Group


A Solar Group é líder em estruturas de fixação no mercado de geração distribuída brasileiro. A empresa se destacou ao tropicalizar as melhores soluções de fixações que existiam no mundo e disponibiliza-las a pronta entrega no mercado. A companhia atende em todo o território nacional e América Latina.

Solar Group
Totum Comunicação

Leia> O Brasil Sobre Rodas

FUNDAÇÃO TOYOTA DOA AMBULÂNCIA PARA SOROCABA (SP)


A Fundação Toyota do Brasil, empenhada na batalha contra a pandemia do novo coronavírus, fez a doação de uma ambulância ao município de Sorocaba, em São Paulo. A entrega aconteceu nesta terça-feira (04), na Prefeitura da cidade e contou com a presença de Jaqueline Coutinho, Prefeita de Sorocaba; Viviane Mansi, presidente da Fundação Toyota; Ademir Canal, diretor de Produção da planta de Sorocaba; e Roberto Braun, diretor de Regulamentação Veicular e Relações Governamentais da Toyota.

A ambulância doada para a cidade de Sorocaba é o quarto veículo preparado para transporte médico-hospitalar entregue pela Fundação Toyota. Também receberam as Hilux adaptadas para ambulâncias os municípios de São Bernardo do Campo (SP), Porto Feliz (SP) e Indaiatuba (SP).

Realizada em parceria com a Toyota, a iniciativa contribui com a mobilidade de pacientes e de profissionais da área de saúde. Além disso, após o combate da disseminação da doença, as ambulâncias se tornarão patrimônio do município.

Fundação Toyota do Brasil

Há 11 anos, a Fundação Toyota do Brasil foi criada para atuar na conservação do meio ambiente e na formação de cidadãos. Além do Projeto Arara Azul, que tirou a espécie da lista brasileira de animais ameaçados de extinção, a Fundação Toyota do Brasil patrocina desde 2011 o Projeto Toyota APA Costa dos Corais, em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Governo Federal. No Sudeste, a entidade desenvolve o Águas da Mantiqueira, uma pesquisa de conservação da biodiversidade como foco no uso ordenado de bacias hidrográficas da Serra da Mantiqueira. 

Na área da educação, a Fundação Toyota do Brasil aplica uma metodologia exclusiva da montadora em órgãos públicos e em ONGs, a fim de reduzir o consumo de recursos naturais por meio do projeto Ambientação. Visite o site da Fundação Toyota do Brasil na internet www.fundacaotoyotadobrasil.org.br.

Fundação Toyota do Brasil 
Tecere Gestão da Comunicação

Leia> O Brasil Sobre Rodas

BECOMEX É A PRIMEIRA CONSULTORIA DA ÁREA TRIBUTÁRIA A CONQUISTAR ISO 27001.


A Becomex, uma das maiores consultorias de negócios para as áreas fiscal, tributária e aduaneira do Brasil, líder em regimes especiais, com destacada experiência no setor automotivo, tendo como clientes 23 montadoras e quase 200 sistemistas, com forte atuação também nos segmentos agrícola e Oil&Gas, recebeu a certificação internacional ISO 27001. Essa certificação garante a conformidade do seu sistema de gestão da segurança da informação, baseada na referência internacional em Segurança da Informação - ISMS - Information Security Management System, método estruturado que descreve os controles que uma organização precisa implementar para garantir a proteção das informações contra vazamentos, ameaças e outras vulnerabilidades.

“A conquista desta certificação demonstra nosso alto comprometimento em oferecer soluções que otimizam as operações de nossos clientes com a total segurança de seus dados”, declara  Paulo Paiva, vice-presidente do segmento automotivo. O selo também comprova o alinhamento da empresa às regras estabelecidas na LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) – prevista para entrar em vigor no Brasil em 2021. “Segurança é fundamental para a Becomex, por isso aprimoramos continuamente nossos processos e padrões e a ISO 27001 vem atestar essa qualidade”. 

A Becomex é a primeira empresa brasileira atuante no segmento de gerenciamento integrado na área tributária e operações internacionais a receber a certificação internacional.

A Norma 


A ISO 27001 é uma norma internacional criada pela International Standardization Organization (ISO) e descreve como gerenciar a segurança da informação em uma organização, além de especificar as melhores práticas de gerenciamento de riscos. Sua versão mais recente foi publicada em 2013. 

Dentre os requisitos para alcançar a certificação internacional, estão o contexto da organização, a gestão de ativos e seus riscos, o controle de suas operações, assim como um plano de melhoria contínua e análise de sua eficácia. Somado a isso, inclui-se controles para garantir a segurança em recursos humanos, controle de acesso, gerenciamento das comunicações, aquisição, desenvolvimento e manutenção de sistemas de informação, além de gerenciamento de continuidade dos negócios e conformidade.

Becomex


A Becomex é uma das maiores consultorias de negócios para as áreas fiscal, tributária e aduaneira do Brasil, líder em regimes especiais, com destacada experiência no setor automotivo. Mais de mil empresas nacionais e multinacionais fazem parte de sua carteira de clientes, inclusive grandes importadoras e exportadoras. Atuando há 13 anos no País, seu papel fundamental é o de colaborar para a redução da carga tributária das empresas aplicando uma gestão colaborativa integrada com a cadeia de fornecedores, contribuindo diretamente com o aumento da competitividade nos negócios.

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

GOODYEAR ESTÁ NA SÉRIE OESP MASP


Projeto de concertos que mescla arte e música será online e gratuito pela primeira vez


Duas das instituições culturais mais simbólicas de São Paulo, o MASP e a Osesp retomam, no próximo dia 5 de agosto, a série de concertos Osesp MASP. Desde 2015, o evento combina arte e música no palco do MASP Auditório.

Em razão das medidas de isolamento social impostas pela pandemia de covid-19, as apresentações foram reformuladas. Todos os concertos ocorrerão no Auditório do MASP, sem plateia, e serão transmitidos ao vivo pelas páginas do museu no Facebook e no YouTube. Os vídeos ficarão disponíveis nas redes sociais do MASP posteriormente por tempo ilimitado.

O patrocínio, neste ano, é de Goodyear, Nova Energia e Klabin.

"O MASP e a Osesp são ícones do modernismo e da inovação e, dessa forma, estão alinhados aos valores da Goodyear, que tem soluções de alta tecnologia presentes nos principais meios de mobilidade do mundo. Com essa relação, participar de um momento tão importante para a cultura é uma oportunidade de atrelar valores similares e reforçar a nossa trajetória no Brasil, reforça Jeff Havlin, presidente da Goodyear.

O objetivo do projeto é estabelecer diálogos entre a arte e a música, relacionando similaridades estéticas e históricas de ambas. Por isso, cada apresentação é comentada por um especialista convidado, que faz conexões entre obras do acervo do MASP e as composições musicais.

Na apresentação de estreia, 5.8, às 20h, a programação começa com uma fala de Sérgio Molina, compositor, coordenador-geral de música na Faculdade Santa Marcelina e autor do livro "Música de Montagem". Ele relaciona a obra "Composição (Figura só)", 1930, de Tarsila do Amaral, com o repertório de Ernst von Dohnanyi, Heitor Villa-Lobos e Benjamin Britten.

As composições serão executadas pelo Quarteto Chromos, com Joel Gisiger no oboé, Matthew Thorpe no violino, Ederson Fernandes na viola e Jin Joo Doh no violoncelo.

Essa não é a primeira vez que a Goodyear e o MASP atuam juntos. No ano passado foram realizadas cinco edições do "Dia Goodyear no MASP", evento que patrocina a gratuidade no museu. Em outra ação, a Goodyear esteve presente no livro sobre os 50 anos do edifício MASP, a publicação traz um levantamento iconográfico e documental sobre a história e relevância do projeto.

Já em 2018, a Goodyear participou de um seminário promovido pelo MASP dedicado à arquitetura do prédio e, na ocasião, foram debatidas questões sobre os impactos do projeto no cotidiano da cidade e os usos sociais e políticos do vão livre.

Serviço

Osesp MASP
5 de agosto, às 20h

DOHNANY Serenade para Trio, Opus 10 (22')

VILLA-LOBOS Quarteto nº 1, adaptação com oboé (8')
1-Cantinela
2-Brincadeira
6-Saltando como um Saci

BRITTEN Fantasia para quarteto com oboé (13')

Quarteto Chromos
Joel Gisiger, oboé
Matthew Thorpe, violino
Ederson Fernandes, viola
Jin Joo Doh, violoncelo

Palestrante
Sérgio Molina, compositor, coordenador-geral de música na Faculdade Santa Marcelina e autor do livro "Música de Montagem"

Obra comentada


Tarsila do Amaral
Composição (Figura só), 1930
Comodato MASP Ronaldo Cezar Coelho
Foto: Eduardo Ortega

Goodyear do Brasil

A Goodyear é fabricante de pneus para automóveis, vans, picapes, SUVs, caminhões e ônibus, pneus fora de estrada, empilhadeiras, equipamentos industriais e para aviação, além de materiais para recapagem, e está presente no Brasil há mais de 100 anos. No mundo, emprega cerca de 62.000 pessoas e fabrica seus produtos em 47 instalações em 21 países. Seus dois Centros de Inovação em Akron, Ohio, nos Estados Unidos, e Colmar-Berg, em Luxemburgo, desenvolvem produtos e serviços que definem o padrão de tecnologia e desempenho para o setor.

No Brasil, a companhia possui duas unidades industriais: a fábrica na cidade de Americana (SP) e a unidade de materiais de recapagem e de recauchutagem de pneus para aviação na cidade de Santa Bárbara do Oeste (SP). Além disso, a empresa conta com uma rede de revendedores oficiais e cerca de 1.000 pontos de venda em todo o País.

COOP - COOPERATIVA DE CONSUMO RETORNA R$ 12 MILHÕES A COOPERADOS


A partir desta segunda-feira (3), a Coop - Cooperativa de Consumo disponibiliza para mais de 850 mil cooperados ativos, o valor de R$ 12 milhões, referente às sobras líquidas (lucro) do exercício de 2019, cujo faturamento total foi de R$ 2,399 bilhões.

O valor de resgate de cada um é proporcional ao volume de compras efetuado ao longo do ano passado, em qualquer uma das 92 unidades de negócios, que envolvem lojas de supermercado, drogarias e postos de combustíveis. Seja qual for o montante a que o cooperado tem direito, poderá ser resgatado até 15 de julho de 2023. Vencido o prazo, o saldo não retirado será remetido ao Fundo de Reserva, conforme estabelecido no Estatuto Social.

A distribuição do retorno é um dos mais importantes diferenciais da Cooperativa em relação às empresas supermercadistas tradicionais. E sua forma de apuração é das mais justas. O cooperado que costuma centralizar todas as suas compras na rede, certamente recebe mais do que aquele que faz aquisições esporádicas.

Por ser uma cooperativa, seu principal objetivo é oferecer os melhores serviços a preços justos, além de reverter benefícios a seus cooperados e à comunidade, a exemplo também do ciclo de palestras gratuito; programa de saúde e qualidade de vida; programas educacionais voltados aos estudantes da rede pública e particular e doações para entidades beneficentes das cidades onde conta com unidades de distribuição.

Atualmente, a Coop é considerada a maior cooperativa de consumo da América Latina, possui mais de 850 mil cooperados ativos, cerca de 6 mil colaboradores diretos, 32 lojas de supermercados, sendo 24 no Grande ABC, uma em Piracicaba, três em São José dos Campos, duas em Sorocaba e duas em Tatuí, três postos de combustíveis e 57 drogarias. 

BASF TRABALHA EM PROCESSO INOVADOR PARA RECICLAGEM DE COLCHÕES


A BASF desenvolveu um processo de reciclagem química para colchões usados e está iniciando testes-piloto na fábrica de Schwarzheide, em Brandemburgo, na Alemanha. Os materiais dos colchões antigos devem ser reciclados de modo a serem utilizados para a produção de novos colchões. "O objetivo é recuperar as matérias-primas com uma qualidade comparável à das matérias-primas não recicladas/virgens", explica Shankara Keelapandal, da gerência de produto de Isocianatos da Europa. Com o processo, a BASF está abrindo novos caminhos e respondendo às expectativas crescentes em matéria de sustentabilidade da indústria de espuma e de colchões, bem como às expectativas dos consumidores. Trata-se de um passo importante para, eventualmente, reintroduzir os resíduos pós-consumo nos ciclos de vida dos produtos.

O processo da BASF separa o poliuretano flexível e fornece o poliol usado inicialmente. A partir daí, a BASF pode produzir novas espumas com uma pegada de carbono significativamente menor, pois menos recursos fósseis são usados. "Os projetos desta natureza são bastante interessantes porque, embora os colchões sejam fáceis de recolher e de selecionar, no final do seu ciclo de vida acabam por ser incinerados ou depositados num aterro", explica o diretor técnico do projeto, Arno Volkmann. Os primeiros volumes do material reciclado serão entregues aos parceiros envolvidos no final deste ano para desenvolver projetos-piloto em conjunto. "O projeto é tecnicamente complexo, mas o potencial de reduzir os volumes de resíduos e economizar recursos faz com que tudo valha a pena" comenta Keelapandal.

Com o novo processo, a BASF intensifica seus esforços para aumentar a sustentabilidade e dá mais um passo em direção a uma economia circular. Com o objetivo de dissociar o crescimento econômico do uso de recursos finitos, a BASF acelera a adoção do princípio da economia circular em suas operações diárias. "É por isso que desenvolvemos uma solução para fechar o ciclo para espuma de poliuretano flexível com a reciclagem química de colchões", acrescenta Keelapandal. 

Estudo compara destinação de colchões


A Política Nacional de Resíduos Sólidos brasileira, instituída em 2010, traz critérios determinando os materiais que devem ser destinados à coleta seletiva ou entrar em sistema de logística reversa a ser implementado pelas empresas. Um estudo feito pela Fundação Espaço Eco® (FEE) "Comparação do desempenho ambiental e econômico da destinação final de colchões”, feita para a Associação Brasileira das Indústrias de Colchões (Abicol) compara as alternativas de destinação. Entre os dados, foi verificado que enviar 1000 colchões de espuma para coprocessamento pouparia o consumo energético equivalente a 12 residências durante um ano. Também evitaria as emissões de 10 toneladas de carbono para a atmosfera, o que representa uma viagem em torno da Terra em um carro de passeio.

“Avaliamos o desempenho ambiental e econômico do que seria viável no Brasil, levando em conta a destinação para aterro, reciclagem mecânica, coprocessamento ou recuperação energética”, explica Rafael Viñas, gerente de Sustentabilidade Aplicada da FEE. “O novo processo de reciclagem química é a combinação de alternativas mais ecoeficientes. É um dado interessante para fomentar a estruturação de logística reversa e parque industrial para esta destinação na América do Sul” considera. Para saber mais sobre o projeto de reciclagem de PU, acesse: https://www.basf.com/global/en/who-we-are/sustainability/we-drive-sustainable-solutions/circular-economy/mass-balance-approach/circularity-recycling-of-mattresses.html